terça-feira, 22 de outubro de 2013

Desabafo


E nestes últimos dias o que vemos são os noticiários mostrando atrocidades feitas com “animais de laboratório”, desta vez cães da raça beagle em um instituto que faz os testes para cosméticos.

E, claro, virou a polêmica na mídia, assim como no Facebook. Vi e li muitas coisas sobre o assunto, e confesso que muita coisa me chateou a ponto de não querer entrar mais na discussão da citada rede social. De fato, o Facebook pode ser uma arma a favor do bem, e também uma ferramenta do mal, formador de opiniões e de conceitos muitas vezes até preconceituosos e errados.

Confesso que, no calor da emoção, até eu já postei coisas que me fizeram me arrepender depois. Ás vezes não pensamos rápido e compartilhamos o que na hora parecia ideal, mas os problemas vêm depois, com o alcance do que você postou.

No caso dos cachorrinhos, é claro que me manifestei a favor deles, a favor dos ativistas. Não demorou muito para eu ler coisas que postaram para dizer que eu era uma tola que estava dizendo bobagens.

Sou a favor da vida, é claro, e no caso de animais domésticos é evidente que o sentimento aumenta. Cachorros convivem com seres humanos como parentes, não dá não pensar em seu sofrimento. Daí lembraram do rato de laboratório. Sim, eles também têm vida, e devem ganhar liberdade dessa crueldade toda. Vi experiências com eles na TV ainda hoje, e achei nojento demais.

Vi uma pessoa postando sobre pessoas que são idiotas, que falam com seus pets como se eles fossem retardados, ou seja, fazendo voz de criança. Puxa, eu faço isso, mas não me considero retardada porque para mim eles são sim crianças.

Vi outra postando que as pessoas falam da liberdade para os beagles mas mantém animais cativos em casa. Sim, eu faço isso, porque se eu não estivesse com as minhas gatinhas fechadas em casa talvez elas estivessem passando fome hoje nas ruas. Sei lá, mas penso que elas não sofrem por estarem presas e confinadas em meu apartamento, porque dou a elas amor, carinho, comida, água fresca, cama quentinha, médico, brincadeiras, e tudo o que precisam.

Teve uma que disse que as pessoas eram hipócritas, porque reclamavam dos últimos movimentos em que teve “quebra-quebra”, e que pra salvar cachorrinhos bonitinhos tava valendo tudo, e as mesmas pessoas apoiavam. Eu não sou a favor da baderna, da quebradeira. Invadir o local para levar os cães, beleza, mas quebrar o que não lhe pertence, daí já é vandalismo, e eu não concordo. Mas o que vi foram ativistas de ONGs que acompanhamos sempre na mídia, que estavam lá só pelos animais mesmo, e esses eu dou meu total apoio.

Outra mensagem dizia que as pessoas defendem animais e comem carne de animais. Puxa, que vergonha, eu me encaixo nisso ainda. Confesso que me é difícil largar o hábito de comer carne, infelizmente. E vocês não imaginam o quanto eu gosto de vaquinhas e boizinhos....

E por fim, os que defendem que se não fizerem testes em animais, irão fazer em quem, humanos? Ah, por favor, estamos no século XXI, onde já se tem substituto para tudo o que possa ser testado. A ousadia é tanta que a foto de Hittler estampa essas postagens como quem gostou de usar humanos para teste. Disputa covarde, não é mesmo?

Não, não quero prejudicar humanos, mas também não quero prejudicar animais. Sonho sim com um mundo que um dia respeitará os animais e não precisaremos mais chorar com o abandono e descaso.

Não adianta eu discutir minha posição e meu amor por esses bichos via redes sociais, porque cada vez mais os do contra acham mil maneiras de dizer que estamos errados. Mas eu acho que não estou.
E que Deus proteja nossos animaizinhos de tanta maldade e de gente que acha que eles são puro e simples objeto.

8 comentários:

  1. Silvia esta situação é muito difícil mesmo, eu ouvi muitos comentários desse tipo, e acho que sofro um pouco mais já que sou médica e sei dá necessidade de pesquisa, e não dá para negar que sem os pobres ratos de laboratório muita coisa não iria avançar. Infelizmente na minha faculdade já tivemos o sacrificio de alguns pobres ratinhos, e eu fui a escolhida para segurar o coitado, no caso ali foi tudo bobagem pois era apenas exemplos e não se pesquisava nada. Aí vejo os cachorrinhos lindos e fofos e penso coitados, mas e os ratos? Sou hipocrita?! E as vacas?! Ainda não consegui evoluir para deixar de comer uma picanha, o que me consola é que nenhuma galinha que tivemos em casa virou comida, a que morreu por um acidente ninguém conseguiu. Acho que preciso evoluir, mas pelo menos ainda penso em animais como seres vivos que sofrem com tanta maldade. Eu não sei que mania é essa de achar que somos seres tão superiores, com direito a tudo no planeta, então podemos matar e torturar todos os animais em nome da ciência? Embora eu tenha sido treinada para ter uma mente voltada para a ciência, meu coração não aceita isso tranquilamente. Li comentários de médicos falando o quanto eram tolas essas pessoas, e aquilo me chateava bastante, entendo pelo lado racional mas tb sei que muitas experiências em animais não eliminam a necessidade sim de testar em humanos, aliás nos EStados Unidos muitas pessoas recebem para fazer estes testes, para servirem de cobais. Quantas vezes um medicamento parece seguro foi testado em animais e depois durante seu uso em humanos descobrimos que tem um efeito colateral ruim.
    Bom sei que tirei algumas pessoas do meu facebook pq cansei de ouvir bobagens e pessoas que não tem sentimentos por um ser vivo que também tem direito a ser bem tratado.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Concordo com tudo e assino embaixo!O comentário da Eva também é muito importante porque está ligado à área de trabalho dela. Eu acho que depois que os beagles foram resgatados deve haver uma discussão entre a comunidade científica e autoridades que determinem se é realmente necessário o uso de animais. Eu espero que entendam que o povo brasileiro não aceita mais situações impostas contra a nossa vontade e que vamos lutar pelo direito dos animais.
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir
  3. Sílvia, querida,
    Desde que o ser humano anda pela terra, ele vem agredindo a sua própria espécie e matando incontáveis animaizinhos de outras espécies.
    E como sua prepotência não tem fim, arranja todas as justificativas para esses seus atos - e são aplaudidos!!!
    Creio que TUDO já foi testado em animaizinhos, desde que a industrialização se instalou.
    Nos dias de hoje, onde a ganância dá lugar ao bom senso, o que vemos ao nosso redor, custou a vida de indefesos.
    Em estado natural, nenhum animal prejudica outro. Tudo acontece naturalmente.
    Provocamos o desequilíbrio - e reclamamos!!!
    A tecnologia avança...não há porque continuar com métodos insanos!! É preciso evoluir.
    Cabe a nós, consumidores, procurar opções deempresas mais dignas e exigirmos mudanças na legislação, incluindo informações claras sobre a origem de tal produto.
    Sílvia, não se envergonhe em ainda comer carne.
    Não é fácil, não é fácil. Eu não consumo frangos há mais de 10 anos, suínos, há uns 7 anos...e vivo em meio a uma família carnívora. Todos os encontros, festas,comemorações, tem a carne como prato principal.
    De vez em quando, belisco a picanha, como a Eve, muitas vezes não resisto ao salmão e ao camarão!!!
    Sinto-me feliz com as conquistas que consegui ao longo dos anos.
    Sinto-me em paz em não comprar produtos que eu sei que carregam o sofrimento animal.
    Porém, preciso evoluir mais, participar mais por nessa causa!!
    Nós temos o principal ingrediente para ir deixando esse hábito de lado e galgar alguns degraus na evolução: compaixão pelos animais!!
    Chegaremos lá!!

    Tenha um bom dia,

    beijinhos,

    Lígia e =ˆˆ=


    ResponderExcluir
  4. Silvia e meninas!
    Esta semana foi o limite da tolerância no facebook. Bloqueei algumas pessoas, inclusive algumas que eu imaginava que fossem um pouco mais "humanas"... incluindo médicos conhecidos, que defenderam acirradamente os testes com animais, com a máxima de que em prol de uma espécie a natureza sempre sacrifica outra. Por que a ciência não faria o mesmo?
    Olha, fiquei mal, xinguei, bloqueei e como não bastasse, aqui no serviço eles sabem que sou ferrenha na proteção de animais, vieram tirar onda comigo, pedir minha opinião. Para não me desgastar, perguntei se estavam pagando pela entrevista, caso contrário não falaria nada.
    Um dia, numa outra dimensão, talvez o mundo tenha jeito.
    Depois da chuva de absurdos que li essa semana a respeito do assunto "testes em animais" acho que não mais.
    Beijocas querida. Não estás só.

    ResponderExcluir
  5. Querida Silvia
    Ví está matéria e prefiro nem comentar
    Tamanha crueldade me causa asco
    Digo sempre, e vou repetir aqui
    Quanto mais conheço o ser humano mais gosto dos animais
    Beijinhos para você e festinhas nas gatinhas
    Com carinho de
    Verena e Bichinhos



    ResponderExcluir
  6. Depois que adotei meus filhotes, passei a ter mais consciência em relação à proteção animal. Milhares de vezes já pensei em parar de comer carne, mas pra mim é muito difícil, confesso. Acho que podemos começar por pequenas coisas, como por exemplo, eleger um dia da semana pra não comer carne. Particularmente em relação aos testes, não sei até que ponto é imprescindível fazê-los em animais. Concordo com o que a Ligia colocou. Em estado natural, nenhum animal prejudica o outro. Nós humanos é que causamos o desequilíbrio na natureza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Faço das suas palavras as minhas... Temos que saber até que ponto é positivo o debate nas redes sociais, porque tem gente de todo jeito prontinho para te denegrir com pensamentos, opiniões formadas de puro atraso social. Eu só penso que este caso tenha acordado um gigante adormecido e que isso mude a visão das pessoas, e que maltratar aquele animal do laboratório está a poucos passos de cada um.... basta pensar e mudar suas atitudes.

    ResponderExcluir
  8. Eu penso assim: o mundo está em evolução. Pode demorar bastante, mas logo logo a consciência muda, é só questão de tempo. De fato, a quantidade de animal lovers está aumentando demais! Se cada um começar a boicotar as marcas que fazem testes, mesmo que os que não se importa usarem essas marcas, o rendimento deles vai diminuindo...

    Lembro que na época em que eu estava na faculdade de veterinária, há 10 anos atrás, estavam começando a falar em bem estar de animais de laboratório! E acho que essa baderna foi necessária sim, é importante abrir os olhos da sociedade. Enfim, acho que tudo é questão de tempo.

    Eu também me sinto muito mal, Silvia, gostaria de não precisar de nada feito pelo sofrimento dos outros, nem dos animais, nem do trabalho sub humano a que muitas pessoas são submetidas, mas muitas vezes usamos até sem querer. Não é hipocrisia, é o inicio de uma nova era, pois não é fácil viver em sociedade e querer viver a parte dela. De fato estou tentando diminuir a quantidade de carne que eu como, passo pelo menos dois dias da semana sem carne. Gosto muito mais de gatos do que de outros animais, mas sei que todos são seres vivos e precisam de, pelo menos, respeito. Quem sabe logo me torno vegetariana!

    Desculpe o post longo-desabafo!!

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir

Deixe seu miadinho!